Metas para cidades mais sustentáveis

Publicação com indicadores da qualidade do desenvolvimento servirá como guia de gestão para os candidatos das próximas eleições

Foto de Waldson Dias via Flickr

A ideia da iniciativa, liderada pela Rede Nossa São PauloRede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis e pelo Instituto Ethos, é apresentar aos candidatos indicadores para o diagnóstico de sustentabilidade local e uma série de sugestões baseadas em experiências bem sucedidas em outras cidades e países.

Os candidatos interessados poderão firmar seu engajamento público com novos padrões de crescimento, assinando a carta compromissoem apoio ao Programa Cidades Sustentáveis.

Os signatários eleitos passam a prestar contas das ações por meio de relatórios, revelando a evolução ou não dos indicadores. Até o momento, 550 candidatos a prefeitos e vereadores de 330 municípios já se comprometeram com a iniciativa.  Os indicadores sugeridos abrangem as áreas econômica, social, ambiental, cultural e de governança.

Maurício Broinizi, da Rede Nossa São Paulo, defende que entre as propostas estejam mais facilidade ao acesso de dados públicos e o incentivo a processos participativos, como os Conselhos Municipais. “O ideal é que cada secretaria municipal tenha um grupo para dar representatividade à sociedade civil”, afirmou durante o lançamento da publicação. Ele contou que em São Carlos, no interior paulista, por exemplo, há 17 secretarias e 37 conselhos, fortalecendo a governança local.

Emídio de Souza, prefeito de Osasco e representante da Frente Nacional de Prefeitos, lembrou a importância em dar legitimidade a esses conselhos. “Existem alguns em que os membros são indicados da própria prefeitura. Isso tira a força da atuação da sociedade civil nesses órgãos”, diz.

Sobre qualidade ambiental, propõe-se aumentar a oferta de áreas verdes, principalmente nos centros urbanos. O objetivo é chegar ao número recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de 12 metros quadrados verde por habitante. Outra meta é de ter 100% dos córregos e rios classificados – segundo padrões da Agência Nacional das Águas (ANA) – ao menos, como “bons”.

Broinizi destacou, contudo, a importância de ações além das métricas ambientais. “Queremos a sustentabilidade política, econômica cultural e educacional”. Por isso, entre as metas voltadas à promoção de cultura está a de ter uma relação de 2 livros por habitante. Os exemplares estarão distribuídos em bibliotecas públicas acessíveis da cidade.

Foto de Waldson Dias via Flickr

Fonte: Centro de Estudos em Sustentabilidade da ESAESP – por: Thaís Herrero 24/08/2012
Publicado 11 set 2012 às 7:20 e 08 set 2013 08:00

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s