Casa sem consumo de energia

Soleta zero energy One

Uma eco-casa sem consumo de energia da rede
Soleta zeroEnergy – Casa sem consumo de energia

A Soleta zeroEnergy One é a primeira casa modular na Roménia a funcionar integralmente com energia limpa. Pode ser controlada via smartphone.

Trata-se de um protótipo desenvolvido pela Justin Capra Foundation for Investment and Sustainable Technologies (FITS).Por ter um design versátil e acessível, esta casa pode ser usada como habitação, escritório ou casa de férias. É feita de materiais naturais de origem local, incluindo madeira laminada para a estrutura e telhas de madeira para o telhado. Tem apenas 48 metros quadrados.Em vez de paredes, foi utilizado vidro isolante, que proporciona luz natural e ventilação. Existe também um sistema de recuperação de calor. Um sistema inteligente de monitorização e gestão de energia, clima e ventilação possibilita uma eficiência energética de até 45 por cento na habitação. O sistema pode ser controlado remotamente através de um iPhone ou um dispositivo similar. Soleta zero Energy http://www.soleta.ro/page-4

EcoCasa Portuguesa
http://www.facebook.com/ecocasaportuguesa

 fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=740763979276538&set=a.220992661253675.62285.220236927995915&type=1 em 10 fev 2014 às 13:08 p.m. bom fim

Anúncios

O senhor de 88 anos que passou os últimos 50 construindo uma catedral sozinho, usando materiais reciclados

 

Quando ouvimos que um produto, construção ou arte é a obra da vida de alguém, refere-se ao fato da pessoa ter ficado conhecida por uma obra específica dentre tantas outras que executou. Não é o caso de Justo Gallego Martínez: ele tem executado sozinho, ao longo de 50 anos, a construção de uma catedral que nunca fica inteiramente pronta.

Trata-se de uma catedral com uma imensa cúpula e torres altas, erguida em  Merorada del Campo, a 20 km de Madri, por esse agricultor de 88 anos, toureiro, ex-monge que tornou-se arquiteto autodidata e aprendeu sozinho técnicas de construção ao longo de meio século de atividade. Suas principais matérias-primas são lixo e materiais de construções descartados (como tijolos e madeiras de demolição) e sem usar guindastes. Martínez conta apenas com a ajuda de alguns amigos operários e ocasionalmente consulta alguns peritos para erguer a estrutura de 50x25m, e cuja torre mais alta mede 60 metros.

Sua determinação em fazer tal obra veio depois de passar oito anos no mosteiro, época em que contraiu tuberculose e teve que deixar o regime monástico para sua saúde melhorar. Começou então a construir sua catedral em um terreno herdado dos seus pais, mas sem permissão da prefeitura ou da própria Igreja Católica. Martínez justifica-se dizendo que foi tudo por um ato de fé.

Veja o pequeno vídeo mostrando Gallego trabalhando e depois confira algumas imagens da catedral:

catedral

catedral2

catedral3

catedral4

catedral5

18264204

18264236

18264590

18264629

18264752

Mejorada_del_Campo_Church_(12)

Mejorada_del_Campo_Church

Apesar da falta de autorização das autoridades locais, as mesmas nunca o impediram de continuar sua obra, pois acabou tornando-se atração turística da cidade. A popularidade aumentou exponencialmente depois de protagonizar um comercial da Aquarius Sports Drink e, consequentemente, receber muitas doações para ajudar a finalizar a grande obra de sua vida.

Veja o comercial:

3 primeiras fotos de ©Jenn Lebow, fotos 4 e 5 de ©AP Images, fotos 6 a 10 ©S. Marino e fotos 11 e 12 de ©Richard Morley texto por Vicente Carvalho

11 prédios que são referência na Arquitetura Sustentável

A chamada Arquitetura Sustentável não é um estilo arquitetônico em si, mas uma série de princípios que permeia o projeto e a execução dos edifícios.

Conforme um dos artigos anteriores do Arquitetura Verde, Arquitetura Sustentável é aquela que oferece um ambiente de boa qualidade ao usuário, com uso otimizado da energia e redução do impacto ambiental, devendo ser um sistema em equilíbrio, que produza poucos dejetos na sua construção e durante seu uso.

Prédios que são referência na construção sustentável

A Arquitetura Sustentável atualmente se apresenta em variadas linguagens, desde as mais simples às mais tecnológicas. Veremos alguns exemplos de prédios que são referência na construção sustentável.

Arquitetura Vernacular


Casa-folha, do Escritório Mareines+Patalano Arquitetura (mais / arquitetura vernacular )

Arquitetura Orgânica


Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, do arquiteto Renzo Piano ( mais )


Nautilus, do arquiteto Javier Senosiain ( mais )

Bioarquitetura


Instituto Baleia Jubarte, do Instituto Tibá ( mais )


Green School, construída na ilha de Bali, Indonésia ( mais )

Arquitetura Racionalista


Bedzed, do arquiteto Bill Dunster ( mais )

Arquitetura Crítica Tipológica


Centro da Cultura Judaica, do arquiteto Roberto Loeb ( mais )

Arquitetura High-tech

HSBC Hong Kong, do arquiteto Norman Foster ( mais )

Formas da luz


Berliner Bogen, do escritório BRT Arkitecten (mais )

Linguagem verde


Edificio Pergola, do arquiteto Bruno Stagno ( mais )


Edifício da Pioneer, do arquiteto Enrique Browne ( mais )

Inspirações

Como vimos, não há um padrão a ser seguido para uma arquitetura ser considerada sustentável: pode-se utilizar desde os materiais mais simples, como a terra existente no próprio terreno, até os mais modernos sistemas de automação.

O importante é aumentar a eficiência energética do edifício, usar materiais com certificação ambiental e, principalmente, atender os anseios dos usuários, proporcionando a eles mais qualidade de vida.

SOBRE O AUTOR: VANESSA MENDES ARGENTA, Arquiteta e Urbanista  @VANMAGENTA G+ )

Site: http://www.flickr.com/photos/vanmagenta 

Veja todos os artigos de 

Vanessa Mendes Argenta

fonte: http://www.coletivoverde.com.br/construcao-sustentavel/ em 02 fev 2014 às 12:00p.m. Bom fim – Porto Alegre – RS – BRasil

VANTAGENS DO TIJOLO ECOLÓGICO

1. Economia do custo final em até 30% da parede de tijolo ecológico em relação ao uso de tijolo 6 furos;

2. Diminui o tempo de construção em até 50% com relação à alvenaria convencional, devido aos encaixes que favorecem o alinhamento e prumo da parede;

3. Estrutura – As colunas são embutidas em seus furos, distribuindo melhor a carga de peso sobre as paredes, criando uma estrutura muito mais segura!

4. Economia de até 100% no uso de madeiras nas caixarias dos pilares, vergas e contra-vergas;

5. Economia de até 100% da massa de assentamento, (os tijolos ecológicos Acrópole, possuem encaixe perfeito e não necessita massa de assentamento);

6. Economia de até 50% de ferro;

7. Os Tijolos Ecológicos são curados com água e sombra, diferente dos tijolos convencionais que dependem da queima de milhares de lenhas em fornos, contribuindo demasiadamente com o aquecimento global e com desmatamentos;

8. Durabilidade maior do que o tijolo comum, pois chega a ser até 6 x mais resistente;

9. Alivia o peso sobre a fundação evitando gastos desnecessários com estacas mais profundas e sapatas maiores;

10. Fácil acabamento. Se preferir não precisa rebocar e pintar, economizando mais ainda. Os Tijolos Ecológicos já possuem um lindo acabamento, semelhante aos tijolos aparentes, necessitando o uso de apenas um impermeabilizante a base de silicone ou acrílico, e rejunte flexível;

11. Revestimento é simples usando-se direto sobre tijolo apenas uma fina camada (2 a 3 mm) de reboco, textura, gesso ou graffiato;

12. O assentamento dos azulejos é feito direto sobre os tijolos;

13. Obra mais limpa e sem entulhos;

14. Acústica. Como o tijolo ecológico possui dois furos, as paredes formam um isolamento acústico, diminuindo os ruídos provocados na rua para o interior da casa;

15. Isolamento Térmico (calor) – Os furos dos tijolos são importantes, pois formam câmaras térmicas evitando com isso que o calor que esta do lado de fora penetre no interior da residência. Com isso a temperatura interna é inferior à externa;

16. Isolamento Térmico (frio) – Com o Frio acontece ao contrario, pois a temperatura da casa fica mais quente do que a externa;

17. Proteção de Umidade – Esses furos também propiciam a evaporação do ar, evitando com isso, a formação de umidade nas paredes e interior da construção, que causa danos à saúde e danos materiais;

18. Instalações Hidráulicas – Toda a tubulação é embutida em seus furos dispensando a quebra de paredes, como na alvenaria convencional;

19. Instalações Elétricas – Como as instalações hidráulicas, também são embutidas nos furos, dispensando conduítes e caixas de luz, podendo os interruptores e tomadas serem fixados, diretamente sobre os tijolos;

20. A praticidade desde tijolo fará sua obra ser muito mais rápida.

empresas que vendem tais tijolos:

A Ekoblocos. A empresa Ekoblocos é uma indústria do ramo de construção civil que atua no mercado de São José dos Campos e região. O principal foco é fornecer produtos de qualidade para o mercado da construção civil, mas tendo como primórdio do seu DNA, o cuidado com o meio ambiente de forma econômica, pratica e limpa. Econômica, pois os produtos ecológicos, antes considerados caros para o mercado.

publicado originalmente em 20 set 2012 às 16:15 e novamente em 31 jan 2014 às 8 a.m.

Construção em #COB

Utilizando apenas produtos ecologicamente corretos encontrados em abundância na natureza, Brian Liloia e um grupo de amigos construíram com as próprias mãos a COB House, uma casa natural e de baixo custo. A construção que levou cerca de 9 meses custou apenas 8 mil reais. Em sua composição, foram utilizados apenas barro, madeira, pedras, areia e fibra. Utilizando a técnica da construção com COB, Brian conseguiu construir um casa aconchegante, confortável termicamente e sustentável.

Saiba mais sobre a construção com COB a seguir:

COB House - Arquitetura Sustentavel (3)COB House - Arquitetura Sustentavel (6)

 

COB House - Arquitetura Sustentavel (2)COB House - Arquitetura Sustentavel (4)COB House - Arquitetura Sustentavel (5)COB House - Arquitetura Sustentavel (7)COB House - Arquitetura SustentávelCOB House - Arquitetura Sustentavel (1)

 

O Cob é um material de construção divulgado recentemente pelos movimentos de sustentabilidade e construção natural, ele é composto por argila, areia e palha, similar ao adobe. A mistura é a prova de fogo e altamente resistente a abalos sísmicos. Seu custo é quase nulo e é geralmente usado para fazer um tipo de arquitetura mais artística e escultural, por conta de sua fácil manipulação.

As paredes feitas com Cob são necessariamente grossas e servem como massa térmica, fazendo com que a casa se mantenha quente no inverno e fresca no verão, além de funcionar bem com variações de temperatura mais curtas, fazendo a casa ficar fria de dia e quente a noite. Mesmo sendo feito basicamente de barro, o material é totalmente estável em climas úmidos e chuvosos, e se sua estrutura for feita adequadamente, o COB não se deteriora. Algumas casa feitas com Cob em Devon, uma das regiões mais úmidas da Inglaterra, sobrevivem e estão em uso a séculos. O material tem muitas características incomuns com o adobe, material muito comum no México e no sudoeste dos Estados Unidos, mas enquanto o adobe é usado para fazer blocos, o COB é usado para esculpir a parede da fundação de baixo pra cima em uma peça única.

O Cob pode ser feito e utilizado de formas bem simples e com muita liberdade de criação.

Confira a galeria com outras construções feitas com a técnica do COB .

Confira a galeria com outras construções feitas com a técnica do COB e deixe seu curtir!

 

COB Houses - Arquitetura Sustentavel (4)
COB Houses - Arquitetura Sustentavel (2)
Exif_JPEG_PICTURE
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
 Veja também:
– Cob houses
 

Imagens via: Tiny Cob Adobe

Instruções de construção de uma fossa ecológica!

Faça você mesmo!

Para aqueles que gostam de fazer as coisas com as próprias mãos, ou mesmo apenas aprender o processo construtivo, segue aqui um passo a passo do sistema BET.

CONSTRUÇÃO PASSO-A-PASSO

BET corte 02

  1. Orientação em relação ao sol
    Como a evapotranspiração depende em grande parte da incidência do sol, a bacia deve ser orientada para a face norte (no hemisfério sul) e sem obstáculos como árvores altas próximas à bacia, tanto para não fazer sombra como para permitir a ventilação.
  2. Dimensionamento
    Pela prática, observou-se que 2 metros cúbicos de bacia para cada morador é o suficiente para que o sistema funcione de forma eficiente e sem extravasamentos. A forma de dimensionamento da bacia é: largura de 2 metros e profundidade de 1 metro. O comprimento é igual ao número de moradores da casa, ou utilizadores habituais do sistema. Para uma casa com cinco moradores, a dimensão fica assim: (LxPxC) 2x1x5 = 10 m3.
  3. Bacia
    Pode-se construir a bacia de diversas maneiras mas, visando a economia, a sustentabilidade e a segurança, a técnica mais indicada de construção é a do Ferrocimento. As paredes ficam mais leves e, principalmente, usam muito menos material. O ferrocimento é uma técnica de construção com grade de ferro e tela de “viveiro” coberta com argamassa. A argamassa da parede deve ser de duas (2) partes de areia (lavada média) por uma (1) parte cimento e argamassa do piso deve ser de duas (3) partes de areia (lavada) por uma (1) parte cimento. Pode-se usar uma camada de concreto sob (embaixo) o piso caso o solo não seja muito firme, funcionando como fundação.      BET tanque de ferrocimento 01 BET tanque de ferrocimento 02
  4. Câmara anaeróbia
    Depois da bacia devidamente montada e impermeabilizada, mantendo-a úmida por três dias, vem a construção da “câmara de digestão”, que é facilitada com o uso de pneus usados e do entulho da obra. A câmara é composta do duto de pneus e de tijolos inteiros (bem queimados) alinhados ou cacos de tijolos, telhas e pedras, colocados até a altura dos pneus. Isto cria um ambiente com espaço livre para a água e beneficia a proliferação de bactérias que quebrarão os sólidos em moléculas de micronutrientes.BET tanque de ferrocimento 03
  5. Dutos de inspeção
    Neste ponto pode-se iniciar a fixação dos 3 dutos de 50mm de diâmetro, conforme indicado, para a inspeção e coletas de amostras de água.
  6. Camadas de materiais
    Como a altura dos pneus é de cerca de 55cm, que juntamente com a colméia de tijolos de cada lado vão formar a primeira camada (mais baixa) de preenchimento da bacia (câmara), irão restar ainda 45 cm em média para completar a altura da BET e mais 4 camadas de materiais. A segunda camada é a de brita (+/- 10 cm) e a seguir convém utilizar algum tipo de manta permeável (ex: bidim) para evitar que a areia (+/- 10 cm) da camada superior (terceira) desça e feche os espaços da brita. Em seguida vem a camada de solo (+/- 25 cm) que vai até o limite superior da bacia. Procure usar um solo rico em matéria orgânica e mais arenoso do que argiloso. Por fim vem a última camada, que fica acima do nível da BET. Essa camada é composta de folhagem seca, também conhecida pelos praticantes da Permacultura como Mulch.
  7. Proteção (MULCH)
    Como a bacia não tem tampa, para evitar o alagamento pela chuva, ela deve ser coberta com folhagem seca. Todas as folhas que caem das plantas e as aparas de gramas e podas, são colocadas sobre a bacia para formar um colchão por onde a água da chuva escorre para fora do sistema. E para evitar a entrada da água que escorre pelo solo, é colocada uma fiada de tijolos ou blocos de concreto, ao redor da bacia para que ela fique mais alta que o nível do terreno.
  8. Plantio
    Por último, deve-se plantar espécies de folhas largas como mamoeiro, bananeiras, taiobas, caetés, etc. Ao passar do tempo, se aparecerem minhocas e outros organismos do solo, como cascudos e insetos, não se assuste, isto é sinal de que o seu sistema de tratamento está funcionando muito bem e o solo está ficando mais fértil! Estes organismos auxiliam na digestão do esgoto.Conheça um projeto brasileiro premiado pela Fundação Banco do Brasil. E aqui, exemplo de um centro que aplica esse tipo de sistema na prática.
    Pedro Monteiro

bet1fonte: http://www.ecoeficientes.com.br/bet-faca-voce-mesmo/?utm_source=twitterfeed&utm_medium=facebook em 02 out 2013 às 19:51 p.m. Bom Fim – Porto Alegre – Brasil

Casa auto sustentável

Imagine usa casa que gera sua própria energia, que oferece sua própria água, e que ainda produz alimentos. Já imaginamos uma construção cara de alta tecnologia. Nada disso. A casa do arquiteto americano Michael Reynolds pode ser construída em qualquer lugar. Ele reutiliza garrafas de vidro, latas de alumínio e pneus usados.

– See more at: http://ideiasgreen.com.br/2013/01/casa-auto-sustentavel.html#sthash.vYv8QJHb.dpuf
fonte: http://ideiasgreen.com.br/2013/01/casa-auto-sustentavel.html

Bioconstrução – prática em Maquiné – RS #eufaçoporqueamo

Marcelo Tcheli – Bioconstrutor nos conta como tudo começou e para onde pode evoluir!

assista aqui o vídeo do Marcelo Tchieli

Acreditamos que pessoas felizes e inspiradas com suas atividades diárias fazem um mundo melhor. Por isso, o projeto #eufaçoporqueamo foi criado, com a intenção de instigar as pessoas a pensarem suas vidas e seus trabalhos. Estamos em busca de pessoas que amam o que fazem e fazem de seus trabalhos fonte de alegria e prazer.

Gravado em Maquiné/RS, em março de 2013
Direção: Lucas Rangel Pinto
Produção: Cibele Toledo
Fotografia: João Dullius
Animação: Diego Kasper
Edição: Lucas Rangel Pinto e Cibele Toledo
Música: Intimidated by Silence – Cars & TrainsRealização: Tríade Produtora –triadeprodutora.com.brfacebook.com/eufacoporqueamo

fonte: http://tvig.ig.com.br/variedades/eufacoporqueamo—marcelo-tcheli-51a64c9c2892a814fc000016.html em 01 junho 2013 às 15:33 p.M. BomFim Porto Alegre – RS – Brasil

Cob House

Casa feita somente com recursos naturais e gastando quase nada

cob house
Brian “Ziggy” Lilaia decidiu que construíria uma casa utilizando apenas produtos naturais, da localidade e gastando menos possível. A Cob House foi construída por seu dono e alguns amigos durante 9 meses, e é formada basicamente de barro, madeira, pedras, areia e fibras.

Mais fotos: http://www.hypeness.com.br/2012/07/casa-feita-somente-com-recursos-naturais-e-gastando-quase-nada/

Movimento Novos Rurais
Pessoas mais livres, plenas e felizes
https://www.facebook.com/novosrurais.farmingculture

fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=595351013817836&set=a.220992661253675.62285.220236927995915&type=3&theater em 06 maio 2013 – bom fim – porto alegre – rs – brasil às 12:31p.m.

Extração de areia no Guaíba é um dos focos de apuração da Polícia Federal

Empresas de mineração contrataram consultorias sob suspeita para garantir licenças

Extração de areia no Guaíba é um dos focos de apuração da Polícia Federal Lauro Alves/Agencia RBS

Regiões reservadas para pesquisa – primeira etapa para transformar uma área em um garimpo de areia – ficam próximas ao Parque de Itapuã
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

As dragas que sugam areia e veem o Guaíba como tesouro a ser explorado estão na mira da Polícia Federal. Durante a Operação Concutare, a PF descobriu que empresas mineradoras reservaram 219 áreas do estuário para pesquisa. É uma ação fundamental para transformar a região num garimpo de areia para abastecer a construção civil.

A extração de areia no Guaíba foi interditada em 2003, por meio de uma ação popular, pelos riscos trazidos ao equilíbrio ambiental. Foram cassadas as 21 licenças de exploração existentes. O argumento usado na ação judicial é de que a extração da areia no Guaíba vai revolver o lodo onde estão depositados metais pesados e outros produtos que há anos vêm sendo jogados no local, o que provocaria poluição.

Mas, apesar da proibição, os areeiros nunca desistiram de explorar o estuário. E, agora, conseguiram dar um passo decisivo para transformar o local numa mina a céu aberto.

Nas investigações, os policiais apontam que, graças ao uso de consultorias ambientais, uma das grandes empresas mineradoras do Estado conseguiu dobrar resistências em dois órgãos fiscalizadores: o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). Isso aconteceu de forma rápida, após anos de espera.

Um servidor do DNPM, o engenheiro de minas Alberto Müller, e seu irmão, o consultor ambiental e geólogo Bruno Müller, são citados na apuração da PF. Ambos foram presos na segunda-feira. No decreto de prisão, a Justiça Federal assinalou, em relação aos dois: “Os investigados se propunham a interferir (…) para a liberação de extração de areia no Lago Guaíba e Lagoa dos Patos, onde a empresa tem cerca de 140 processos registrados no DNPM”.

PF teme desmoronamentos nas barrancas de parque

O DNPM, órgão federal que licencia a exploração do subsolo brasileiro, autorizou 140 processos de pesquisa de mineração por parte de uma empresa mineradora na região entre o Guaíba e a Lagoa dos Patos. Alberto Müller foi preso por, supostamente, receber propina para acelerar licenciamentos naquele órgão. Os policiais dizem que ele teria usado “laranjas para protocolar licenças de exploração de lavra no DNPM”. Depois, ele teria revendido “essas licenças por valores milionários à empresas do ramo da mineração”.

Uma outra empresa também requisitou 79 lotes, na confluência do Guaíba com a Lagoa dos Patos, para pesquisa. Bruno Müller atua como consultor em nome da mineradora junto ao DNPM. A polícia acredita que Alberto teria autorizado, entre outros, requerimentos encaminhados pela consultoria de seu irmão, Bruno.

O superintendente substituto do DNPM no Estado, Roberto Ferrari Borba, não nega que Alberto possa ter atuado em processos de requisição feitos pelo parente:

— Qualquer técnico do DNPM pode se ocupar de qualquer tarefa. Ele pode, ou não, ter tido participação nesses processos, o que não quer dizer que exista algum problema.

Chama a atenção que muitas áreas de pesquisa ficam em frente ao Parque de Itapuã, um santuário ecológico, área intocável e protegida por lei. A preocupação dos policiais é saber se a concessão de áreas próximas ao Itapuã pode provocar desmoronamentos nas barrancas do parque — como ocorreu com as margens do Rio Jacuí. Borba afirma que o DNPM está atento:

— Temos todas as áreas de preservação em nosso controle. Esses processos deverão passar pelo setor e, se estiverem em área proibitiva, por ser de preservação ambiental, será indeferido o requerimento.

*Colaboraram Carlos Wagner e Eduardo Nunes

CONTRAPONTO

O que diz o advogado José Abel Luiz, que defende os irmãos Alberto e Bruno Müller:

“O que a PF afirma sobre os irmãos é um absurdo. Primeiro, porque Alberto jamais usou a sua função no DNPM para beneficiar Bruno, que é um profissional reconhecido no mercado. Bruno tem como sócio na empresa o filho de Alberto, que também é profissional de nome. A afirmação de que este filho receberia dinheiro e repassaria para o seu pai é um absurdo.”

reportagem: Humberto Trezzi* humberto.trezzi@zerohora.com.br

Leia Mais:
Extração irregular de areia no Rio Jacuí é responsável pelo sumiço de mais de 100 praias nas últimas décadas

fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2013/05/extracao-de-areia-no-guaiba-e-um-dos-focos-de-apuracao-da-policia-federal-4127267.html DE 04 DE MAIO DE 2013 E POST DE 06 maio 2013 às 09:02 a.m. BOMFIM – PORTO ALEGRE – RS – BRASIL